URI Erechim

Notícias Gerais

Palestras sobre relações afetivas e a guerra na Ucrânia encerram Fórum do Direito | | URI Câmpus de Erechim

Palestras sobre relações afetivas e a guerra na Ucrânia encerram Fórum do Direito

18/09/2023 - 345 exibições
   

Com a realização de duas conferências, encerrou na sexta-feira, 15, a programação do XXX Fórum das Ciências Jurídicas e Sociais da URI. Na primeira palestra, o Juiz de Direito e Professor da Universidade de Salvador, Rodolfo Pamplona, falou sobre a “Pluralidade nas relações afetivas”, um tema importantíssimo para a compreensão do sistema normativo. “A ideia da pluralidade de forma ampla é imprescindível para compreender o mundo que vivemos”, disse o professor baiano. “Isso significa compreender determinados problemas numa perspectiva empática, de sentir a dor do outro, de compreender as matérias mesmo sem estar sentindo. Que podemos defender o direito da pessoa ser o que ela quiser, independente das nossas escolhas ou posicionamentos. Compreender a importância da pluralidade importa em abrir horizontes”, afirmou.

Pamplona destacou que por muito tempo o sistema era calcado numa família patriarcal, misógina, excludente e patrimonialista. “Era um sistema que privilegiava uma única forma de família e tinha uma predileção com determinado modelo moral”, informou o palestrante. Pontuou que devemos ser críticos para compreender a história do nosso país e todo o sistema. “Precisamos entender que, de fato, estamos no maior período democrático da história do Brasil”, frisou. Para entendermos a ideia de pluralidade das relações afetivas, “precisamos utilizar de quatro linhas de construção de raciocínio: a de pluralidade de entidades familiares, a de laços parentais, a de sujeitos e a de pluralidade de gênero”, concluiu.

Na segunda conferência, o diplomado do Curso, Vitélio Brustolin, natural de Erechim, analisou a guerra na Ucrânia, contextualizando os acontecimentos históricos aos quais foram de grande relevância para chegar aos dias atuais, destacando a Revolução de Maiden e a invasão da Criméia em 2014. Também apresentou todos os tratados internacionais violados e os crimes de guerra cometidos pela Rússia atualmente.

 

Ver mais notícias