Plano de EnsinoURI Câmpus de Erechim - Medicina Veterinária
 

PLANO DE ENSINO

Departamento de Ciências Biológicas

Disciplina: MANEJO DE FAUNA SILVESTRE

Código: 20-427

Carga Horária: 40h (Teórica: 30h)  (Prática: 10h)

Nº de Créditos: 02

 

Ementa

Métodos de estudo em campo e laboratório. Criação de animais silvestres. Preservação de espécies ameaçadas. Classificação e manejo de espécies exóticas. Controle de espécies silvestres vetores ou reservatório de doenças. Legislação.

 

Objetivos

A disciplina visa proporcionar ao aluno o conhecimento necessário para compreender a importância do estudo, manejo e preservação da fauna silvestre existente no planeta.

Ao término da disciplina, o aluno deverá ser capaz de atingir total ou parcialmente as seguintes competências e habilidades: apresentar os conhecimentos fundamentais para o correto manejo ambiental e/ou clínico-cirúrgico de Animais Selvagens; Conhecer as particularidades morfofisiológicas dos répteis, aves e mamíferos; saber aplicar medidas de manejo para melhoria da qualidade de vida dos Animais Selvagens em cativeiro; selecionar a melhor técnica de contenção física e química para as principais espécies de Répteis, Aves e Mamíferos Selvagens; Identificar e tratar as principais afecções que acometem os Répteis, Aves e Mamíferos Selvagens de interesse na Medicina de Animais Selvagens;

 

Conteúdos Curriculares

UNIDADE 1- FAUNA SILVESTRE

1.1Espécies silvestres

1.2Espécies exóticas

 

UNIDADE 2- MÉTODOS DE ESTUDO

    1. Inventários
    2. Avaliação Ecológica
    3. Monitoramento de Fauna Silvestre

 

UNIDADE 3- ASPECTOS SOBRE CRIAÇÃO DE ANIMAIS SILVESTRES

3.1 Legislação

3.2 Criação em Cativeiro

    1. Introdução e Reintrodução de Espécies

 

UNIDADE 4- MANEJO DE ESPÉCIES EXÓTICAS

 

UNIDADE 5- ESPÉCIES SILVESTRES VETORES OU RESERVATÓRIOS DE DOENÇAS

 

Metodologia

  Visando desenvolver competências técnicas, cognitivas e comportamentais nos alunos, as aulas, de forma variada, terão como metodologias: a tradicional (expositivo-dialogadas com estudos dirigidos), a ativa e a sócio-interacionista (professor como mediador de atividades em que os alunos trabalham em equipes e interagem com a comunidade universitária). No intuito de desenvolver as competências inerentes a disciplina, serão utilizados recursos de multimídia como projetores de imagem e vídeo, computador, sala de aula, biblioteca física e virtual (visando pesquisas individuais e em equipe). As aulas práticas serão a campo para conhecimento de espécie exóticas e/ou em extinção. A disciplina prevê 10h como atividades T.D.E

 

Avaliação

O sistema de avaliação desta disciplina está de acordo com o que determina o Regimento Interno da URI, Resolução nº 2318/CUN/2017- Capítulo XI, Subseção VII, Art.85-92 “do planejamento de ensino e da avaliação da aprendizagem”. Para atender este novo modelo acadêmico prevê que os resultados acadêmicos sejam expressos em pontos acumulados de zero (0) a dez (10), sendo que 80% da nota poderão ser referentes a provas presenciais e/ou práticas, atividades e trabalhos. E 20% da nota será atribuída por meio dos Trabalhos Discentes Efetivos e avaliação das atividades de aulas com metodologias diferenciadas.

 

BIBLIOGRAFIA

Bibliografia Básica

CULLEN JUNIOR, L.; RUDRAN, R.; VALLADARES-PADUA, C. (Org.). Métodos de estudos em biologia da conservação & manejo da vida silvestre. 2. ed. Curitiba: EDUFPR, 2012.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE.; RAMBALDI, D.M. (Org.). Espécies da fauna ameaçadas de extinção: recomendações para o manejo e políticas públicas. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2010.

PRIMACK, R.B.; RODRIGUES, E. Biologia da conservação. Londrina: E. Rodrigues, 2001.

 

Bibliografia Complementar

ALBUQUERQUE, J.L. B.; CANDIDO Jr., J.F.; STRAUBER, F.C.; ROOS, A.L. Ornitologia e conservação: da ciência às estratégias. Tubarão: Ed. Unisul, 2001.

AURICCHIO, P; SALOMÃO, M. DA G. (Org.). Técnicas de coleta e preparação de vertebrados para fins científicos e didáticos. São Paulo: Instituto Pau Brasil de História Natural. 2002.

GARAY, I.; DIAS, B. (Orgs.) Conservação da biodiversidade em ecossistemas tropicais: avanços conceituais e revisão de novas metodologias de avaliação e monitoramento. Petrópolis: Vozes, 2001.

PAIVA, M.P. Conservação da fauna brasileira. Rio de Janeiro: Interciência, 1999.

ROCHA, C.F.D. Biologia da conservação: essências. São Carlos: RiMa, 2006.

 

Fique por dentro

Ver mais