Plano de EnsinoURI Câmpus de Erechim
 

PLANO DE ENSINO

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

DISCIPLINA DE CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCOMAXILOFACIAL PRÉ-CLÍNICA

CÓDIGO: 40-762

PRÉ-REQUISITOS: 20-398, 40-753, 40-796

CARGA HORÁRIA: 60 (Teórica: 30 / Prática: 30)           

Nº DE CRÉDITOS: 04

 

1 EMENTA

Princípios Básicos de Cirurgia. Manobras cirúrgicas básicas. Técnicas cirúrgicas para exodontias de rotina. Incisões e sutura em odontologia. Técnicas cirúrgicas para exodontias complexas. Avaliação Pré-operatória. Pós-operatório e processo de reparo alveolar. Prevenção e tratamento de acidentes e complicações em cirurgia dento-alveolar.  Condições sistêmicas que afetam o plano de tratamento em cirurgia bucomaxilofacial. Terapêutica medicamentosa em cirurgia bucomaxilofacial.

 

2 OBJETIVO GERAL

Propiciar ao aluno o conhecimento necessário para o planejamento dos procedimentos básicos de cirurgia odontológica.

 

3 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

- Conhecimento a respeito dos princípios básicos de cirurgia bucomaxilofacial;

- Entendimento dos princípios e treinamento laboratorial em incisões, exodontias simples, complexas e suturas em odontologia;

- Conhecer, diagnosticar e correlacionar doenças sistêmicas que possam afetar o plano de tratamento em cirurgia bucomaxilofacial.

 

4 CONTEÚDOS CURRICULARES

  1. Princípios básicos de cirurgia bucomaxilofacial;
  2. Avaliação pré-operatória do paciente;
  3. Anamnese e exame clínico;
  4. Princípios de exodontia de rotina;
  5. Incisões em odontologia;
  6. Sutura em odontologia;
  7. Princípios de exodontia complexa;
  8. Fisiologia do reparo alveolar;
  9. Prevenção e tratamento de acidentes transoperatórios;
  10. Prevenção e tratamento de complicações pós-operatórias;
  11. Condições sistêmicas e correlações com a cirurgia bucomaxilofacial;
  12. Terapêutica medicamentosa em cirurgia bucomaxilofacial.

 

5 METODOLOGIA

As aulas teóricas serão apresentadas com o auxílio de recursos audiovisuais As aulas práticas acontecerão nos laboratórios de pré-clínica do URICEPP (URI/Centro de Estágios e Práticas Profissionais), onde os alunos irão treinar e executar os procedimentos práticos simulados em manequins. Possíveis dificuldades apresentadas pelos alunos em relação a acessibilidade ou dificuldades de aprendizado serão consideradas durante a condução das aulas teóricas e práticas, considerando cada caso e executando as adequações necessárias para o pleno aproveitamento das atividades por todos os alunos que compõem a turma. Alunos com dificuldades de aprendizado serão encaminhados à coordenação do curso de Odontologia, a qual irá direcionar o aluno ao serviço do CEAPPI (Centro de Estudos e Acompanhamento Psicológico e Psicopedagógico). Alunos que declarem-se com deficiência serão direcionados ao Núcleo de Acessibilidade da URI.

 

6 AVALIAÇÃO

         A avaliação dos alunos será baseada em seu desempenho teórico e prático ao longo do semestre. Para isso, será composta uma média semestral na disciplina, a qual será constituída pelas avaliações teórica e prática.

         A avaliação teórica será composta pela média aritmética entre 2 (duas) provas durante o semestre (T1, T2), com questões dissertativas e/ou objetivas (incluindo somatórias), com pesos semelhantes: T1 = 10 pontos e T2 = 10 pontos. A nota teórica resultará em uma média entre 0 (zero) a 10 (dez), e será calculada: (T1 + T2) /2. O conteúdo teórico será cumulativo durante o semestre e poderá ser requisitado em todas as provas. Todas as questões deverão ser obrigatoriamente respondidas com caneta e letra legível. Questões respondidas à lápis e/ou ilegíveis serão consideradas erradas (nota = 0). Questões objetivas rasuradas e questões (objetivas ou descritivas) não respondidas também serão anuladas. O aluno que não preencher o campo reservado à sua identificação na prova receberá a nota 0 (zero), independentemente de ter respondido corretamente as questões.

         Em casos de faltas nas datas de realização das provas, o aluno terá direito à prova substitutiva caso apresente justificativa plausível e oficial. A eventual prova substitutiva será realizada em data a ser definida pelos professores conforme a disponibilidade de datas e horários. A justificativa para qualquer falta, em dia de prova ou qualquer outra atividade, deverá ser apresentada para um dos professores da disciplina para análise e para a coordenação do curso.

         Situações específicas onde o aluno apresente dificuldades de acesso as informações presentes na avaliação, dificuldade de entendimento da mesma ou ainda limitações motoras, a prova poderá ser aplicada de modo verbal, onde o professor poderá ditar as questões ao aluno ou apenas ler as questões, a fim de permitir a resolução da avaliação por todos os alunos que compõem a turma. O aluno será encaminhado à coordenação do curso para que possa ser direcionado ao serviço do CEAPPI (Centro de Estudos e Acompanhamento Psicológico e Psicopedagógico).

           A avaliação prática será composta pela média aritmética entre 2 (duas) notas P1 e P2, com pesos semelhantes: P1 = 10 pontos e P2 = 10 pontos referente ao desempenho nas provas práticas. Cada uma dessas duas notas (P1 e P2) serão utilizadas para calcular a média prática, a qual será calculada da seguinte maneira: (P1 + P2) /2.

As provas práticas têm por objetivo uma simulação de atendimento aos pacientes em procedimentos de exodontia. Os alunos deverão executar todos os passos clínicos que compõem o protocolo de atendimento, conforme orientação dos professores ao longo do semestre. Conhecimento prático e teórico serão necessários para a correta execução de alguns importantes passos clínicos. Ao final de cada passo, os professores avaliarão a execução do procedimento, com critérios de avaliação pré-definidos em um planilha de avaliação. Além disso, outros critérios serão observados diariamente nas atividades práticas e durante as provas práticas. O não cumprimento dos seguintes critérios poderão repercutir negativamente na avaliação prática do aluno:

          • Pontualidade/Presença: o aluno deve estar com materiais/instrumentais prontos para iniciar as atividades no horário de início da sua turma prática. O atraso sem justificativa oficial plausível diminuirá a nota prática. A justificativa para qualquer falta, deverá ser apresentada para um dos professores da disciplina para análise. A falta não justificada oficialmente resultará em nota 0 (zero) na atividade prática da respectiva data. A falta justificada e aceita pelos professores como tal, excluirá a data do cálculo final da média prática.

         • Instrumental: o aluno deverá sempre portar todos os instrumentais e materiais requisitados na lista da disciplina de CTBMF.

         • Habilidade técnica: compreende a condução adequada das etapas dos procedimentos.

         • Resultado final: qualidade dos procedimentos (execução dos movimentos de exodontias nos manequins, organização da mesa cirúrgica e dos campos estéreis, execução da sutura)

         • Tempo de execução dos procedimentos: dentro da horário determinado para as aulas práticas.

         • Teoria: conhecimento teórico demonstrado pelo aluno durante a aula e eventuais questionamentos que os professores farão durante os procedimentos.

         • Supervisão: compreende a relação de respeito dos alunos para com os professores.

         • Paramentação: será observada conforme as normas da disciplina de Biossegurança. A paramentação inadequada poderá implicar no cancelamento da atividade e o aluno receberá nota 0 (zero).

          Possíveis limitações motoras ou de acesso as informações referentes a avaliação prática serão consideradas pelo corpo docente, e adequações no método de avaliação poderão ser executadas conforme a necessidade do aluno.

         O aluno que obtiver média final entre 5 (cinco) e 7 (sete) pontos, ainda terá o direito de realizar o exame, a ser confirmado pela Secretaria Acadêmica do Curso de Odontologia, e seguindo as normas do exame previstas no manual acadêmico. O aluno que não atingir a nota mínima de 5 (cinco) pontos na média final do semestre estará automaticamente reprovado, sem direito à realização de exame.

 

7 BIBLIOGRAFIA BÁSICA

ARAÚJO, Antenor; GABRIELLI, Mario Francisco Real; MEDEIROS, Paulo José. Aspectos atuais da cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial. São Paulo: Santos, 2007.

HUPP, James R.; TUCKER, Myron R.; ELLIS III, Edward. Cirurgia oral e maxilofacial contemporânea. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

SILVERSTEIN, Lee H. Princípios de sutura em Odontologia: guia completo para fechamento cirúrgico. São Paulo: Santos, 2003.

 

8 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BRAMANTE, Clovis Monteiro; BERBERT, Alceu. Cirurgia paraendodôntica. São Paulo: Santos, 2000.

GRAZIANI, Mario. Cirurgia bucomaxilofacial. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1995. 618 p.

KRÜGER, Gustav O. Cirurgia bucal e maxilo-facial. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1959.

MANGANELLO, Luiz Carlos Souza; SILVEIRA, Maria Eduina da. Cirurgia ortognática e ortodontia. 2. ed. São Paulo: Santos, 2010.

OLIVEIRA, José Augusto Gomes Pereira de. Traumatologia bucomaxilofacial e reabilitação morfofuncional. São Paulo: Santos, 2012.

 

Notícias do Curso

Ver todas