Plano de EnsinoURI Câmpus de Erechim
 

PLANO DE ENSINO

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

DISCIPLINA DE ENDODONTIA PRÉ-CLÍNICA

CÓDIGO: 40-759

PRÉ-REQUISITO: 40-744, 40-450, 40-753

CARGA HORÁRIA: 90 (Teórica: 30 / Prática: 60)         

Nº DE CRÉDITOS: 06

 

1 EMENTA

Princípios básicos em Endodontia. Anatomia interna dos canais radiculares. Acesso à cavidade pulpar. Isolamento absoluto em Endodontia. Preparo Biomecânico do sistema de canais radiculares. Medicação intracanal. Obturação do sistema de canais radiculares. Selamento coronário provisório em Endodontia. Atividades laboratoriais pré-clínica.

 

2 OBJETIVO GERAL

Promover o conhecimento da anatomia das cavidades pulpares dos grupos dentais, do acesso coronário, instrumentação e obturação endodôntica.

 

3 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Instruir o aluno em relação ao acesso coronário nos diferentes grupos dentários, isolamento absoluto, e preparo biomecânico do sistema de canais radiculares.

Fomentar o conhecimento das diferentes substâncias químicas auxiliares empregadas para realização do preparo do sistema de canais radiculares; e das diferentes substâncias utilizadas como medicação intracanal.

Propiciar o conhecimento da obturação do sistema de canais radiculares e do selamento provisório em Endodontia.

Facilitar a aquisição da habilidade prática das técnicas utilizadas para a realização do tratamento endodôntico por meio de atividades laboratoriais.

 

4 CONTEÚDOS CURRICULARES

1. Introdução à endodontia e Materiais e instrumentais utilizados.

2. Anatomia dental interna dos dentes permanente.

3. Acesso coronário dos dentes anteriores e posteriores.

4. Isolamento absoluto em Endodontia.

5. Técnicas para a realização do preparo do sistema canais radiculares e odontometria.

6. Substâncias químicas auxiliares empregadas no preparo do sistema de canais radiculares.

7. Medicação intracanal.

8. Obturação do sistema de canais radiculares.

9. Selamento coronário provisório em Endodontia.

 

5 METODOLOGIA

Serão realizadas atividades teóricas baseadas na interação e no diálogo entre professor e aluno, com o objetivo de resgatar e fortalecer o conhecimento dos discentes em disciplinas previamente ministradas, focando no aprendizado do aluno. Os professores serão vistos como facilitadores da aprendizagem, buscando metodologias ativas e de acessibilidade, visando a individualidade de aprendizagem para cada discente. As estratégias metodológicas poderão incluir aulas expositivas, leitura e interpretação de artigos nacionais e internacionais, estudos de casos clínicos, estudos dirigidos, seminários, aulas demonstrativas sempre priorizando a integração do conteúdo com a prática interdisciplinar, visando orientar os alunos sobre os aspectos mais importantes do assunto abordado e bibliografia correspondente, assim como estimular o desenvolvimento intelectual e autonomia. As aulas práticas ocorrerão em laboratório por meio de simulações em dentes de acrílico, seguindo todos os passos para a realização da endodontia.  Casos específicos de dificuldades apresentadas pelos alunos em relação a acessibilidade ou dificuldades de aprendizado serão consideradas durante a condução das aulas teóricas e práticas. Cada situação será considerada pelo corpo docente e as adequações necessárias para o pleno aproveitamento das atividades por todos os alunos que compõem a turma serão executadas. Os alunos com dificuldades de aprendizado poderão ser encaminhados, caso necessário, à coordenação do curso de Odontologia, a qual direcionará o aluno ao serviço do CEAPPI (Centro de Estudos e Acompanhamento Psicológico e Psicopedagógico). Alunos que declararem-se com deficiência poderão ser direcionados ao Núcleo de Acessibilidade da URI.

 

6 AVALIAÇÃO

Instrumento de avaliação: A avaliação dos conteúdos teóricos ocorrerá mediante duas provas teóricas, (aferições parciais), com questões objetivas, descritivas, sem consulta. A avaliação prática ocorrerá por meio de duas provas práticas (aferições parciais), com o objetivo de avaliar competências e habilidades. Critérios de avaliação: Primeiro trimestre – A nota do primeiro trimestre (primeira nota parcial) resultará do somatório da primeira nota da prova teórica (peso 6) e da primeira nota da prova prática (peso 4).  O aluno deverá obter, no mínimo, nota 7,0, no somatório das duas notas. Segundo trimestre – A nota do segundo trimestre (segunda nota parcial) resultará do somatório da segunda nota da prova teórica (peso 6) e da segunda nota da prova prática (peso 4). O aluno deverá obter, no mínimo, nota 7,0 no somatório das duas notas. O conceito final na disciplina resultará da combinação das duas notas nas aferições parciais (somatório das notas do primeiro e do segundo trimestre). Obterá aprovação o aluno que atingir média final 7,0. Para aprovação na disciplina, o aluno deverá ter, no mínimo, 75% de presença nas atividades propostas.

 

7 BIBLIOGRAFIA BÁSICA

COHEN, Stephen; HARGREAVES, Kenneth M. (Coord.). Caminhos da polpa. 10. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

LOPES, Hélio Pereira; SIQUEIRA JÚNIOR, José Freitas. Endodontia: biologia e técnica. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

SOARES, Ilson José; GOLDBERG, Fernando. Endodontia – Técnicas e fundamentos. 2. ed. São Paulo: Artmed, 2011.

 

8 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BRAMANTE, Clovis Monteiro; SILVA, Renato Menezes da. Retratamento endodôntico: quando e como fazer. São Paulo: Santos, 2009.

FERNANDES, Kristianne Porta Santos et al. Traumatismo dentoalveolar: passo a passo: permanentes e decíduos. São Paulo: Santos, 2009.

HIZATUGU, Ruy et al. Endodontia em sessão única: mito ou realidade? São Paulo: Atheneu, 2002.

LOPES, Hélio Pereira; SIQUEIRA JÚNIOR, José Freitas. Endodontia: biologia e técnica. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

MACHADO, Manoel Eduardo de Lima. Endodontia: da biologia à técnica. São Paulo: Santos, 2009.

 

Notícias do Curso

Ver todas