Plano de EnsinoURI Câmpus de Erechim
 

PLANO DE ENSINO

Departamento de Ciências Agrárias

Disciplina: Tecnologia de Produtos de Origem Vegetal

Código: 50-464

Carga Horária: 40 h (Teórica: 30h)  (Prática: 10h)

Créditos: 2

 

EMENTA

Enologia. Obtenção de Outras Bebidas Fermentadas: Champanhe. Cerveja. Obtenção de Bebidas Fermento-Destiladas. Elaboração de Conservas Vegetais. Elaiotecnia. Matéria-Prima para Obtenção de Derivados de Cereais. Sanitização e Controle de Qualidade de Produtos de Origem Vegetal.

 

OBJETIVOS

A disciplina visa proporcionar ao aluno do Curso de Agronomia o conhecimento necessário para a sua formação a respeito da tecnologia de produtos de origem vegetal.

Ao término da disciplina, o aluno deverá ser capaz de atingir total ou parcialmente as seguintes competências e habilidades:

Descrever matérias-primas de origem vegetal, identificar e analisar os principais processos de produção, beneficiamento e conservação utilizados na industrialização de diferentes produtos de origem vegetal. Compreender e avaliar os fatores que influenciam na aplicação de métodos e técnicas desde a seleção da matéria-prima, processamento, preservação, embalagem, transporte, armazenamento, distribuição e orientação no consumo.

CONTEÚDOS CURRICULARES

UNIDADE DE ENSINO 1 - ENOLOGIA.

1.1 - Histórico.

1.2 - Conceito.

1.3 - Matéria-prima.

1.4 - Processo de maturação.

1.5 - Obtenção do mosto e suco da uva.

1.6 - Correções do mosto.

1.7 - Fermentação alcoólica.

1.7.1 - Vinificação em tinto.

1.7.2 - Vinificação em "rosé".

1.7.3 - Vinificação em branco.

1.8 - Conservação do vinho.

1.9 - Envelhecimento do vinho.

 

UNIDADE DE ENSINO 2 - OBTENÇÃO DE OUTRAS BEBIDAS FERMENTADAS

2.1 - Champanhe.

2.2 - Cerveja.

 

UNIDADE DE ENSINO 3 - OBTENÇÃO DE BEBIDAS FERMENTO-DESTILADAS.

3.1 - Conhaque.

3.2 - Caninha.

UNIDADE DE ENSINO 4 - ELABORAÇÃO DE CONSERVAS VEGETAIS.

4.1 - Matéria-prima.

4.2 - Processamento.

4.3 - Conservação.

4.4 - Embalagem.

 

UNIDADE DE ENSINO 5 - ELAIOTECNIA.

5.1 - Conceito.

5.2 - Matéria-prima.

5.2.1 - Composição.

5.2.2 - Propriedades.

5.2.3 - Classificação.

5.2.4 - Colheita.

5.2.5 - Beneficiamento.

5.3 - Obtenção de óleo bruto.

5.3.1 - Prensagem.

5.3.2 - Solventes.

5.4 - Purificação.

5.5 - Refinação.

5.6 - Subprodutos.

5.7 - Conservação: aditivos químicos.

 

UNIDADE DE ENSINO 6 - MATÉRIA-PRIMA PARA OBTENÇÃO DE DERIVADOS DE CEREAIS.

6.1 - Generalidades sobre grãos.

6.1.1 - Colheita.

6.1.2 - Secagem.

6.1.3 - Armazenamento.

6.2 - Trigo.

6.2.1 - Características.

6.2.2 - Composição do grão.

6.2.3 - Obtenção da farinha.

6.2.4 - Panificação.

6.3 - Milho.

6.3.1 - Características.

6.3.2 - Composição do grão.

6.3.3 - Obtenção do óleo.

6.3.4 - Obtenção do amido.

6.4 - Arroz.

6.4.1 - Características.

6.4.2 - Composição do grão.

6.4.3 - Classificação.

6.4.4 - Obtenção do óleo.

6.4.5 - Beneficiamento do grão.

 

UNIDADE DE ENSINO 7 - SANITIZAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE DE PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL.

7.1 - Enologia. 7.2 - Conservas vegetais.  7.3 - Elaiotecnia.  7.4 - Cereais e derivados.

 

METODOLOGIA

Visando desenvolver competências técnicas, cognitivas e comportamentais nos alunos, as aulas, de forma variada, terão como metodologias: a tradicional (expositivo-dialogadas com estudos dirigidos), a ativa e a sócio-interacionista (professor como mediador de atividades em que os alunos trabalham em equipes e interagem com a comunidade universitária). No intuito de desenvolver as competências inerentes a disciplina, serão utilizados recursos de multimídia como projetores de imagem e vídeo, computador (internet, planilhas eletrônicas, software de simulação), laboratórios de Física e Química do solo, sala de aula, biblioteca física e virtual (visando pesquisas individuais e em equipe).

Os alunos desenvolverão Trabalhos Discentes Efetivos no total de 10h, que poderão ser, conforme a necessidade, estudos de caso, pesquisas bibliográficas, resolução de problemas, lista de exercícios, produção de vídeos, modelagem e protótipos. A fixação dos conteúdos será por meio de resolução de exercícios e problemas, provas, estudos de caso, atividades de laboratório e relatórios.

 

AVALIAÇÃO

A avaliação da disciplina se propõe a verificar se as competências propostas neste plano de ensino foram desenvolvidas pelo acadêmico, por meio dos seguintes instrumentos de avaliação: provas escritas (avaliação de competências técnicas e competências cognitivas); Trabalhos Discentes Efetivos valendo 20% da nota final (avaliação de competências técnicas e competências cognitivas); relatórios de experimentos de laboratório e de outras atividades práticas (avaliação de competências técnicas, cognitivas e comportamentais), e avaliação das atividades de aulas com metodologia diferenciada (avaliação de competências técnicas, cognitivas e comportamentais).

 

BIBLIOGRAFIA

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BRANDÃO, F. Manual do armazenista. 2. ed. Viçosa: Imprensa Universitária, 1989.

LORINE, I.; MIIKE, L. H.; SCUSSEL, V. M. Armazenagem de grãos. Campinas: IBG, 2002.

WEBER, Érico Aquino. Excelência em beneficiamento e armazenagem de grãos. Canoas: Salles, 2005.

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ALMEIDA, F. de A. C.; Hara, T.; Cavalcanti, M. E. R. M. M. Armazenamento de grãos e sementes nas propriedades rurais. In: Congresso Brasileiro de Engenharia Agronômica, 26, Campina Grande, 1997. Anais. Campina Grande: SBEA, 1997.

CARVALHO, Nelson Moreira de. Sementes: Ciência, tecnologia e produção. 4 ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000.

MILMAN, M. J. Equipamentos para pré-processamento de grãos. Pelotas: EGUFPel, 2002.

SILVA, J. S. Secagem e armazenagem de produtos agrícolas. Viçosa: Aprenda Fácil, 2000.

WEBER, Érico. Armazenagem Agrícola. Guaíba–RS: Editora Agropecuária, 2001.

 

 

Notícias do Curso

Ver todas