Plano de EnsinoURI Câmpus de Erechim
 

PLANO DE ENSINO

Departamento de Ciências Agrárias

Disciplina: Física Gênese, Morfologia e Classificação do Solo A

Código: 50-411

Carga Horária: 80h (Teórica: 60h)  (Prática: 20h)

Créditos: 04

 

Ementa

Introdução à ciência do solo, composição do solo, características físicas, químicas e biológicas do solo. Gênese, morfologia e classificação dos solos.

 

Objetivos

A disciplina visa proporcionar ao estudante do Curso de Agronomia o conhecimento necessário para a sua formação a respeito dos solos agrícolas, dando ênfase a física, gênese e morfologia do solo . Ao término da disciplina, o estudante deverá ser capaz de atingir total ou parcialmente as seguintes competências e habilidades:

- Identificar, diferenciar e utilizar as principais características físicas, químicas, e morfológicas do solo e suas interpretações;

- Identificar e interpretar os processos e fatores de formação de solos, suas relações com tipos de solos e implicações com o uso agrícola dos mesmos;

- Entender a física do solo, desde a coleta de amostras indeformadas até a interpretação dos resultados relacionando-os ao manejo do solo adotado;

- Entender e saber utilizar o Sistema Brasileiro de classificação de solos.

 

Conteúdos Curriculares

UNIDADE 1 - Introdução à ciência do solo.

1.1- Conceito de solo.

1.2- Importância do estudo do solo.

1.3- Composição do solo.

1.4- Fase sólida.

1.5- Fase líquida.

1.6- Fase gasosa.

 

UNIDADE 2 - Características químicas do solo.

2.1- Sistema coloidal do solo.

2.1.1- Conceito e classificação.

2.1.2- Absorção e troca de íons.

2.1.3- Bases trocáveis, acidez potencial e acidez ativa e capacidade de troca de cátions.

2.2- Matéria orgânica do solo.

2.2.1- Decomposição, propriedades, distribuição e distribuição em relação aos fatores ambientais.

 

UNIDADE 3 - Características físicas do solo

3.1- Textura.  3.1.1. Conceito e classificação.  3.1.2. Determinação da textura.

3.1.3- Relação com outras propriedades do solo.

3.2- Estrutura.

3.2.1- Conceito, gênese e classificação.

3.2.2- Relação com outras propriedades do solo.

3.3- Densidade de partícula.

3.3.1- Conceito, determinação e importância.

3.4- Densidade do solo.

3.4.1- Conceito, determinação e importância.

3.5- Porosidade.

3.5.1- Conceito, determinação e importância.

3.6- Consistência do solo.

3.6.1- Conceitos e formas.

3.6.2- Importância.

 

UNIDADE 4 - Morfologia do solo.

4.1- Horizonte pedogênico.

4.2- Características morfológicas.

4.3- Descrição do perfil do solo.

 

UNIDADE 5 - Noções de classificação através do Sistema Brasileiro de Classificação  de solos.

 

Metodologia

Visando desenvolver competências técnicas, cognitivas e comportamentais nos estudantes, as aulas, de forma variada, terão como metodologias: a tradicional (expositivo-dialogadas com estudos dirigidos), a ativa e a sócio-interacionista (professor como mediador de atividades em que os estudantes trabalham em equipes e interagem com a comunidade universitária). No intuito de desenvolver as competências inerentes a disciplina, serão utilizados recursos de multimídia como projetores de imagem e vídeo, computador (internet, planilhas eletrônicas, software de simulação), laboratórios de Física e Química do solo, sala de aula, biblioteca física e virtual (visando pesquisas individuais e em equipe). Também serão realizadas aulas práticas de campo sobre descrição de perfil e coleta de amostras de solo.

Os estudantes desenvolverão Trabalhos Discente Efetivos no total de 20h, que poderão ser, conforme a necessidade, estudos de caso, pesquisas bibliográficas, resolução de problemas, lista de exercícios, produção de vídeos, modelagem e protótipos. A fixação dos conteúdos será por meio de resolução de exercícios e problemas, provas, estudos de caso, atividades de laboratório e relatórios. A disciplina prevê o desenvolvimento de atividades de extensão, com 10h de curricularização de extensão.

 

Avaliação

A avaliação da disciplina se propõe a verificar se as competências propostas neste plano de ensino foram desenvolvidas pelo acadêmico, por meio dos seguintes instrumentos de avaliação: provas escritas (avaliação de competências técnicas e competências cognitivas); Trabalhos Discentes Efetivos valendo 20% da média final da disciplina (avaliação de competências técnicas e competências cognitivas); relatórios de experimentos de laboratório e de outras atividades práticas (avaliação de competências técnicas, cognitivas e comportamentais), e avaliação das atividades de aulas com metodologia diferenciada (avaliação de competências técnicas, cognitivas e comportamentais). As aulas com utilização de metodologia ativa terão, especialmente, mas não exclusivamente, avaliação contínua, ou seja, avaliação constante do desempenho técnico, cognitivo e comportamental dos estudantes para possíveis redirecionamentos metodológico/educativos.

 

BIBLIOGRAFIA

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. 5 ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA, 2018.

KLEIN, V. A. Física do Solo. 2. ed. Passo Fundo: Ediupf, 2012.

STRECK, E.V.; KÄMPF, N.; DALMOLIN, R.S.D.; KLAMT, E.; NASCIMENTO, P.C.; SCHNEIDER, P.; GIASSON, E.; FLORES, C. A. Solos do Rio Grande do Sul. 3. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2018.

 

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ERNANI, Paulo Roberto. Química do solo e disponibilidade de nutrientes. 2. ed. Lages: P.R. Ernani, 2016.

KER, João Carlos. Pedologia: fundamentos. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2012.

MEURER, E. J. (Ed.). Fundamentos de química do solo. Porto Alegre: Genesis, 2004.

PRIMAVESI, Ana. Manejo ecológico do solo: a agricultura em regiões tropicais. São Paulo: Nobel, 2002.

SANTOS, R. D. et al. Manual de Descrição e Coleta de Solo no Campo. 7. ed. Viçosa: SBSC, 2015.

 

Notícias do Curso

Ver todas