Plano de EnsinoURI Erechim
 

PLANO DE ENSINO

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

Disciplina: Internato em Clínica Médica

Código: 40-648

Carga Horária: 495 horas Teórica: 99 Prática: 396

Número de Créditos: 33

 

1 EMENTA

Anamnese e exame físico para o diagnóstico, tratamento e prognóstico das diferentes situações clínicas. Aprimorar a relação médico-paciente.

 

2 OBJETIVOS

2.1 Objetivos Gerais

  • Oportunizar a realização do atendimento clínico integral em caráter resolutivo, tanto a nível ambulatorial como hospitalar e a aplicação de raciocínio clínico-semiológico-terapêutico.
  • Proporcionar a aquisição de conhecimentos, habilidades e atitudes relacionadas ao cuidado em clínica médica.
  • Promover a educação permanente e o uso de ferramentas tecnológicas que propiciem a fundamentação da prática médica baseada em evidências científicas.

 

2.2 Objetivos Específicos

Espera-se que esta unidade curricular contribua para a aquisição das seguintes competências, habilidades e atitudes:

  • Realizar a entrevista médica e executar com habilidade o exame físico completo do paciente, preparando-o e/ou seus responsáveis, para os procedimentos a serem realizados.
  • Explicar, de modo compreensível e com linguagem acessível ao paciente e/ou seus acompanhantes, os procedimentos a serem executados, demonstrando atenção e respeito.
  • Construir a história clínica com o paciente e/ou seus responsáveis, com base na anamnese completa (contexto clínico, psíquico, social e cultural) e realização de exame físico focado nestes contextos.
  • Identificar os principais problemas de saúde que requerem assistência ambulatorial e/ou hospitalar, formulando hipóteses diagnósticas e propondo condutas clínico-terapêuticas.
  • Informar ao paciente e/ou aos seus acompanhantes os principais achados e/ou condutas a serem adotadas, os possíveis riscos, custos e benefícios dos exames solicitados.
  • Indicar de modo racional a solicitação de exames complementares e correlacionar os achados clínicos-propedêuticos, de acordo com a faixa etária.
  • Discutir a anatomia patológica, a imaginologia e a patologia clínica no contexto do cenário ambulatorial e hospitalar.
  • Aplicar os indicadores de sensibilidade, especificidade e valores preditivos na solicitação e interpretação de exames complementares.
  • Elaborar o plano terapêutico baseado no contexto clínico e social do paciente e na efetividade da ação médica.
  • Respeitar a autonomia do paciente e/ou de seus responsáveis, como ser biopsicossocial, considerar seu bem-estar e confidencialidade de suas informações clínicas e/ou cirúrgicas.
  • Elaborar e registrar de forma organizada e efetiva a história, a evolução clínica e o plano terapêutico no prontuário médico, ambulatorial ou hospitalar, preencher registros médicos (formulários de pedidos de exames, encaminhamentos e notificações).
  • Elaborar relatórios de alta, transferência, solicitações de interconsultas para outras especialidades e óbito.
  • Comunicar-se e atuar considerando a diversidade e a singularidade na tomada de decisões compartilhadas.
  • Encorajar o paciente e/ou seus familiares a participar das decisões de modo compartilhado.
  • Comunicar aos familiares e pacientes todas as informações, incluindo notícias sobre prognóstico, risco de morte, estado de saúde-doença, utilizando-se de estratégias de aconselhamento e de comunicação de más notícias.
  • Demonstrar postura crítica, reflexiva e senso de responsabilidade profissional e social, reconhecendo a importância das ações socioeducativas e políticas.
  • Conhecer a legislação e demonstrar compromisso com as responsabilidades profissionais.
  • Diagnosticar situações que caracterizam abusos e maus tratos e fazer encaminhamentos pertinentes.
  • Aplicar princípios e valores que orientam a relação do médico com pacientes, alunos, colegas e pessoas vulneráveis.
  • Relacionar-se adequadamente com a equipe de trabalho, constituída pelos professores, tutores, colegas, residentes, setores administrativos, alunos e profissionais de outras áreas, bem como com os profissionais da rede de saúde que participem direta ou indiretamente da simulação ou do atendimento ao paciente.
  • Demostrarpostura acadêmica e de liderança nos diversos ambientes de formação (laboratórios de habilidades/simulações, ambulatórios, enfermarias, bloco cirúrgico), adotando as normas de biossegurança, princípios morais, éticos e legais inerentes ao procedimento e ambiente em que se encontra.
  • Socializar, de modo organizado e fundamentado, casos clínicos reais ou simulados, com vistas ao desenvolvimento da argumentação, discussões e análise de opiniões, inclusive de alunos e profissionais de outras áreas.

 

3 PROGRAMA

Distribuição dos estágios:

Cada aluno realizará três meses de estágio em Clínica Médica, sendo que o rodizio será de 30 dias em cada equipe clínica.

Obrigatoriedade de reuniões clínico científicas semanais, com discussão de caso clínico e seminário específico na temática.

 

Conteúdo do Programa Teórico

1. Cardiopatia isquêmica

2. Insuficiência cardíaca

3. Arritmias

4. Febre reumática-Endocardite: diagnóstico, tratamento e profilaxia

5. Parada cardiorrespiratória

6. Risco cirúrgico do paciente cardiopata

7. Infecções sexualmente transmissíveis

8. Piodermites

9. Micoses superficiais

10. Dermatozoonoses

11. Farmacodermia

12. Tumores cutâneos

13. Síndrome metabólica

14. Diabete melito

15. Tireopatias

16. Hemorragia digestiva

17. Doença de vias biliares

18. Cirrose

19. Doença péptica e Refluxo Gastroesofágico

20. Hepatites

21. Diarreia e Doença inflamatória do cólon

22. Pancreatite

23. Neoplasia gastrointestinal

24. Doença diverticular do cólon

25. Envelhecimento e Medicina Geriátrica

26. Problemas comuns em pacientes geriátricos

27. Anemia

28. Neoplasias hematológicas

29. Transfusões de sangue e componentes

30. Coagulopatias

31. Doenças Infecciosas

32. SIDA

33. Infecções Hospitalares

34. Princípios de Antibioticoterapia

35. Toxoplasmose

36. Leptospirose

37. Síndrome da Mononucleose Infecciosa

38. Infecção urinária

39. Síndrome urêmico (IRA e IRC)

40. Hipertensão arterial sistêmica

41. Rim e doença sistêmica

42. Nefropatia diabética

43. Drogas e rim

44. Litíase renal

45. Equilíbrio hidroeletrolítico e ácido básico

46. Proteinúria – Síndrome Nefrótico

47. Hematúria – Síndrome Nefrítico

48. Acidente Vascular Encefálico

49. Epilepsia

50. Cefaleia

51. Meningite

52. Doenças extrapiramidais

53. Diagnóstico precoce das neoplasias

54. Manejo do paciente imunossuprimido

55. Tratamento da dor

56. Pneumonias

57. Asma

58. Doença pulmonar obstrutiva crônica

59. Tuberculose

60. Derrame pleural

61. Neoplasias pulmonares

62. Artrites infecciosas

63. Osteoartrose

64. Gota

65. Osteoporose

66. Lúpus eritematoso sistêmico

67. Artrite reumatoide

68. Função hemodinâmica e choque

69. Suporte respiratório e insuficiência respiratória

70. Bioética

71. Atendimento humanizado, contextualizado e ético

 

Estágio Eletivo em Clínica Médica

Dois meses na área de Clinica Médica, podendo optar por duas áreas do Estágio Obrigatório.

Atividades teórico práticas conjuntas com o estágio obrigatório.

 

Áreas de estágio: Cardiologia, Neurologia, Dermatologia, Oncologia, Emergência, Pneumologia, Endocrinologia, Psiquiatria, Gastroenterologia, Radiologia, Geriatria, Reumatologia, Hematologia, UTI geral, Infectologia, UTI – coronariana, Nefrologia.

 

4 METODOLOGIA

Aulas teóricas expositivas dialogadas, com abordagem de temas relevantes à clínica médica, com a utilização de mídia digital. Aulas práticas em subgrupos, desenvolvidas no centro de simulações e habilidades da URI, no contexto ambulatorial e hospitalar. As aulas que ocorrem no centro de simulação priorizam o treinamento para desenvolver habilidades na realização dos principais procedimentos clínicos, mediante modelos e simulação de alta fidelidade. O atendimento ambulatorial e hospitalar é realizado pelos alunos internos, sob supervisão do professor/preceptor. Há discussão dos casos atendidos, com proposição de condutas. Estudos de caso, discussões em grupo e seminários são estratégias metodológicas priorizadas nesta unidade curricular.

 

5 AVALIAÇÃO

As avaliações têm caráter formativo, somativo e diagnóstico. A avaliação formativa, decorre da observação diária do desempenho dos alunos nas atividades práticas assistenciais e feedback dos atendimentos clínico-cirúrgicos realizados. A avaliação somativa ocorre por meio de avaliações teóricas e/ou práticas, mediante apresentações dos casos clínico-cirúrgicos e seminários. A avaliação diagnóstica embasa-se na demonstração da aquisição das competências, habilidades e atitudes inerentes aos objetivos do internato.

 

6 BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BRAUNWALD, Eugene, FAUCI, Anthony S.; KASPER, Dennis L.; HAUSER, Stephen L.; LONGO, Dan L.; LARRY, Jameson J. Medicina interna de Harrison. 2 vols. 18a. ed. Porto Alegre: AMGH Editora, 2013.

GOLDMAN, Lee.; SCHAFER, Andrew I. Goldman Cecil Medicina. 24a. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

PAPADAKIS, Maxine A.; McPhee, Stephen J.; W. RABOW, Michael. Current Medicina - Diagnóstico e Tratamento. 53ª ed. São Paulo: McGraw Hill/Bookman, 2015.

 

7 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BARROS, Elvino; FILHO, Luciano Fochesatto. Medicina Interna na Prática Clínica. Porto Alegre: Artmed, 2013.

BRAUNWALD, Eugene; FAUCI, Anthony S. Manual de Medicina - Harrison – 18a. ed. Porto Alegre: AMGH Editora, 2013.

SOUTOR, Carol.; HORDINSKY, Maria. Dermatologia Clínica. Porto Alegre: Artmed, 2014.

TARANTINO, Affonso Berardinelli. Doenças pulmonares. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013, 2002. (15 + biblioteca virtual)

TIERNEY, Lawrence M.; SAINT, Sanjay.; WHOOLEY, Mary A. Current Essência da Medicina (Lange). São Paulo: Editora McGraw Hill, 2012.

 

 

 

Notícias do Curso

Ver todas