Plano de EnsinoURI Erechim
 

PLANO DE ENSINO

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

Disciplina: Saúde da Mulher

Código: 40-642

Carga Horária: 180 horas Teórica: 60 Prática: 120

Número de Créditos: 12

 

1 EMENTA

Fisiologia da reprodução. Distúrbios funcionais. Esterilidade. Dismorfismos e distopias genitais. Planejamento familiar. Fisiopatologia e semiologia da gravidez, parto e puerpério. O recém-nascido. Gravidez de alto risco. Urgências. Parto patológico. Obstetrícia preventiva. Fisiologia e patologias da mama. Displasias. Oncologia ginecológica e implicações éticas. Infecções ginecológicas.

 

2 OBJETIVOS

2.1 Objetivos Gerais

  • Oportunizar a realização de consultas médicas completas com vistas ao aperfeiçoamento de habilidades para o exercício da clínica em ginecologia e obstetrícia.
  • Promover a educação permanente e o uso de ferramentas tecnológicas que propiciem a fundamentação da prática médica baseada em evidências científicas.

 

2.2 Objetivos Específicos

Espera-se que esta unidade curricular contribua para a aquisição das seguintes competências, habilidades e atitudes:

  • Compreender princípios e valores que orientam a relação do médico com pacientes, alunos, colegas e pessoas vulneráveis.
  • Relacionar-se e comunicar-se adequadamente com a paciente, demonstrando atenção e respeito, bem como com seus familiares e acompanhantes.
  • Respeitar a autonomia da paciente ou responsáveis como ser biopsicossocial, considerar seu bem-estar e confidencialidade de suas informações clínicas.
  • Realizar a entrevista médica e reconhecer a importância de uma história clínica e suas diversas etapas.
  • Preparar a paciente e preparar-se para a realização do exame físico, demonstrando conhecimento técnico e científico sobre a sequência do mesmo.
  • Explicar, de modo compreensível e com linguagem acessível à paciente e/ou acompanhantes, os procedimentos a serem realizados.
  • Realizar o exame físico, medir corretamente os dados biométricos e vitais da paciente e registrá-los adequadamente no prontuário médico.
  • Reconhecer a importância dos dados biométricos e vitais no processo saúde/doença.
  • Construir a história clínica com a paciente, com base na anamnese completa (contexto clínico, psíquico, social e cultural) e realização de exame físico focado nestes contextos, conforme o ciclo de vida que se encontra.
  • Elaborar lista de problemas, correlacionar os achados da anamnese e do exame físico com vistas a elaboração de hipótese diagnóstica abrangente (clínica-cirúrgica, etiológica, fisiopatológica, epidemiológica e social).
  • Indicar de modo racional a solicitação de exames complementares e interpretá-los, de acordo com a faixa etária e a situação clínica.
  • Propor diagnóstico e orientar a prevenção, o rastreamento epidemiológico e o tratamento das infecções sexualmente transmissíveis, orientado pela abordagem sindrômica.
  • Compreender e aplicar os protocolos do Ministério da Saúde, relacionados à assistência da mulher.
  • Indicar métodos contraceptivos embasados na compreensão de suas vantagens e desvantagens.
  • Compreender aspectos clínicos e propedêuticos das alterações ginecológicas mais prevalentes (corrimento vaginal, sangramento uterino anormal e dor pélvica).
  • Conhecer as principais intercorrências durante as fases do trabalho de parto e as indicações de parto cesariana.
  • Propor conduta médica conjuntamente com professores/tutores, com base na identificação dos problemas e no raciocínio clínico elaborado.
  • Construir explicações fisiopatológicas para as alterações encontradas na avaliação clínica, relacionando-as aos achados propedêuticos/semiológicos da saúde da mulher.
  • Reconhecer os princípios do raciocínio clínico, os principais sistemas fisiológicos envolvidos e as limitações clínico-terapêuticas.
  • Compreender as estratégias de diagnóstico, conduta e prognóstico das principais doenças que acometem a mulher, considerando-se a prevalência, potencial mórbido e efetividade da ação médica, bem como seus aspectos clínicos e terapêuticos.
  • Compreender a abordagem das principais situações de urgência e emergência na clínica gineco-obstétrica, bem como seus limites clínico-terapêuticos.
  • Demonstrar autonomia no manejo das informações coletadas, habilidade para preencher os registros médicos e encaminhamento de notificações de doenças compulsórias (prontuários, formulários de pedidos de exames, encaminhamentos, notificações) demonstrando competência comunicativa escrita e oral.
  • Demonstrar postura crítica, reflexiva e senso de responsabilidade profissional e social, reconhecendo a importância das ações socioeducativas e políticas.
  • Conhecer a legislação e demonstrar compromisso com as responsabilidades profissionais
  • Relacionar-se adequadamente com a equipe de trabalho, constituída pelos professores, tutores, grupo de alunos, setor administrativo, alunos e profissionais de outras áreas, bem como com os profissionais da rede de saúde que participem direta ou indiretamente da simulação ou do atendimento ao paciente.
  • Demostrarpostura acadêmica, compreensão de seu papel como estudante do curso de Medicina e de liderança nos diversos ambientes de formação (laboratórios de habilidades/simulações, ambulatórios e enfermarias), adotando as normas de biossegurança, princípios morais, éticos e legais inerentes ao procedimento e ambiente em que se encontra.
  • Socializar, de modo organizado e fundamentado, casos clínicos reais ou simulados, com vistas ao desenvolvimento da argumentação, discussões e análise de opiniões, inclusive de alunos e profissionais de outras áreas.

 

3 CONTEÚDO CURRICULAR

Propedêutica Ginecológica

Infecções e infestações em ginecologia

Noções básicas em colposcopia, histeroscopia e laparoscopia

Distopias pélvicas

Incontinência urinária

Endocrinologia ginecologia e distúrbios menstruais

Anovulação

Esterilidade e infertilidade conjugal

Endometriose

Infecções sexualmente transmissíveis

Climatério

Sexualidade humana

Anticoncepção hormonal e não hormonal

Violência sexual contra a mulher

Bioética e Ginecologia

Lesões pré-neoplásicas e neoplásicas do colo uterino

Patologias benignas e malignas do corpo uterino

Patologias benignas e malignas dos anexos uterinos

Patologias benignas e malignas da vulva

Alterações fisiológicas e benignas da mama

Patologias malignas da mama

Propedêutica em oncologia ginecológica

Propedêutica em reprodução humana 

Modificações gravídicas do aparelho reprodutor

Aspectos nutricionais na gravidez

Circulação útero-feto-placentária e fisiologia da placenta

Fisiologia fetal

Uso de medicamentos durante a gestação

Modificações gravídicas sistêmicas

Assistência pré-natal

Gestação de alto risco

Lactação

Propedêutica fetal

Avaliação clínica da bacia obstétrica

Mecanismo de parto nas apresentações cefálicas fletidas

Assistência ao parto vaginal

Contratilidade uterina e fase clínica do parto

Puerpério

Anamnese em obstetrícia

Exame obstétrico

Consulta de pré-natal

Ultrassonografia

Avaliação da vitalidade fetal

Aspectos gerais da assistência ao parto vaginal

Atendimento humanizado, contextualizado e ético

 

4 METODOLOGIA

Aulas teóricas expositivas dialogadas com a utilização de mídia digital. Aulas práticas em subgrupos, desenvolvidas no centro de simulações e habilidades da URI, no contexto ambulatorial e hospitalar. Os alunos são oportunizados à realização da anamnese e exames físicos na área ginceco-obstétrica, simulados e/ou reais, acompanhados e supervisionados por docentes e/ou tutores da URI. A simulação pode se desenvolver por meio de atores e/ou simulação realística, nos quais, os alunos são os executores dos procedimentos. A anamnese e exame físico real (consulta médica completa) são realizadas pelos próprios acadêmicos, em âmbito ambulatorial e hospitalar, supervisionados por docentes e/ou tutores da URI. Os profissionais médicos (docentes/tutores da URI) são os responsáveis pela conduta médica, bem como pela orientação nas discussões dos casos, condução do raciocínio clínico, da propedêutica e terapêutica; e, referência e contra referência dos pacientes. Ainda, orientações quanto ao estudo teórico, com vistas a ampliação do conhecimentos, educação continuada e diagnósticos diferenciais. Estudos de caso, discussões em grupo e seminários são estratégias metodológicas priorizadas nesta unidade curricular.

 

5 AVALIAÇÃO

A observação do desempenho dos alunos ocorre de modo contínuo, no decorrer do semestre letivo e nos diferentes cenários de práticas, de modo individual e/ou em grupo. As avaliações têm caráter formativo, somativo e diagnóstico. A avaliação formativa objetiva identificar avanços e limitações dos alunos, orientando-os aos ajustes necessários durante o semestre. A avaliação somativa, ocorre por meio de avaliações teóricas e no ambiente das atividades práticas (simuladas e/ou reais) e a avaliação diagnóstica embasa-se na demonstração da aquisição das competências, habilidades e atitudes inerentes aos objetivos da disciplina.

 

6 BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BEREK, Jonathan S. Berek & Novak – Tratado de Ginecologia. 15ª ed. Rio de Janeiro: Gunabara Koogan, 2014.

CUNNINGHAM, F. Gary. Obstetrícia de Williams. 24ª ed. São Paulo: Mc Graw Hill, 2015.

HOFFMAN, Barbar L.; SCHORGE, Jonh O.; SCHAFFER, Joseph L. Ginecologia de Williams. 2ª ed. Porto Alegre: Amgh Editora, 2014.

 

7 BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

BARACAT, Edmund Chada. Condutas em Ginecologia Baseada em Evidências. São Paulo: Atheneu, 2016.

LEVENO, Kenneth J. Manual de Obstetrícia de Williams. 23ª ed. São Paulo: Mc Graw Hill, 2013.

REZENDE, Montenegro. Obstetrícia Fundamental. 13ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

SPEROFF, Leon; FRITZ, Marc A. 8ª ed. Endocrinologia Ginecológica e infertilidade. Rio de Janeiro: Revinter, 2014.

ZUGAIB, Marcelo; BITTAR, Robert Eduardo; FRANCISCO, Rossana Pulcinelo Vieira. Protocolos Assistenciais. Clínica Obstétrica. 5ª ed. São Paulo: Atheneu, 2015.

 

Notícias do Curso

Ver todas